18 de agosto de 2011

Anotação

Em Outras Inquisições, Jorge Luis Borges conta essa história, que há de querer dizer alguma coisa. Aprendemos que o Buda foi canonizado santo cristão. E nós que achávamos que sincréticos eram os outros. Mas antes é preciso conhecer a história do príncipe Gautama, que se tornou o Buda.

"No início do século VII, um monge cristão escreveu o romance intitulado Barlaão e

Josafá; Josafá (Josafat -- Bodhisattva) é filho de um rei da índia; os astrólogos

predizem que ele reinará sobre um reino maior, que é o da Glória; o rei confina-o em

um palácio, mas Josafá descobre o infortúnio da condição humana na figura de um

cego, de um leproso e de um moribundo e, por fim, é convertido à fé pelo ermitão

Barlaão. Essa versão cristã da lenda foi traduzida para muitos idiomas,


inclusive o holandês e o latim; a pedido do Haakon Haakonarson, foi composta


na Islândia, em meados do século XIII, uma Barlaams Saga. O cardeal César


Barônio incluiu Josafá em sua revisão (1585-1590) do Martirológio Romano;


em 1615, Diogo do Couto denunciou, em sua continuação das Décadas, as


analogias da falsa fábula indiana com a verdadeira e piedosa história de São


Josafá. Tudo isso e muito mais o leitor poderá encontrar no primeiro volume de


Orígenes de la Novela, de Menéndez y Pelayo."
Postar um comentário