9 de maio de 2013

A romaria dos anônimos e a estranheza dos comuns

Eu, andar cambaleante, e você, cambaleando bravo, ponto e vírgula; sem voz, um fio. É por isso que tenta gritar comigo? Me corrigir a cada passo?



Postar um comentário