12 de setembro de 2011

Amy, amy

Já não se fazem mais

mortes trágicas

    de heróis

         da indústria fonográfica

como antigamente;

subiam à pira pirados, num último delírio;

hoje, que maçada, morrem em tratamento:

morrem do remédio, e não do veneno.
Postar um comentário