20 de outubro de 2010

Choro antigo

Acorda ô alaúde, meu cavaco & bandola,
povoa a boca canora a canção
que sorri e murmura, e plana a meia altura
com uma certa interrogação.

Um passeio no jardim, ou mais,
quem sabe a mata ciliar em que se esconde
outra boca, outra canção, quiçá lilás,
à sombra de amenos montes, sob a relva;

Em tudo que cantas, as pedras dançam sob o rio
e os troncos sorriem, o musgo assobia sem parar
este ar, que os gafanhotos povoaram,
onde certas ninfas gostam de deitar.

Certo que procuras na barafunda de teus bolsos
uns papéis dispersos e relapsos, uns lápis rotos,
já remordidos por tuas ânsias eternais;
deixa de lado as ninharias do dinheiro,
estas bobagens todas que te envolvem
como uma noite torpe, sem visagem,
sem estrelas, apenas escuro e solidão.

Será que ouviste o conselho da andorinha
que cantava na alameda entre as árvores,
no recreio, da boléia de um landau?
Sem rumo andemos pelas ruas,
pisando as pedras banhadas pela chuva,
em conversa sub rosa ao pé de palmeira imperial.

Conversam como as águas do riacho do quintal
trombone baixo, clarinete e pandeiro,
rabeca antiga, bandolim e violão,
E eu tropeço nas melodias de antanho,
ao pé da serra que se espicha no horizonte,
e disfarço assim com um meneio
meu intento de tocar teu coração.
Postar um comentário