6 de agosto de 2010

A história verídica

Caríssimos, não sabemos ao certo o que acontece hoje, ontem, há 15 minutos, tal o tumulto que ante nossos olhos se agita nos meios de massa, ao alcance da mão, prenhe de irrelevâncias. Ótimo, aproveitemos para entender melhor os últimos milênios.
Rudolf Steiner, no interessante e às vezes impenetrável A Ciência Oculta relata que, na época atlante, o ser humano tinha a capacidade de mudar de forma gradativamente, conforme seus desejos e volições. Muitos daqueles adquiriram formas grotescas, disformes, pela amplitude de seus desejos. Talvez pudessemos dizer que a matéria era muito rarefeita em espírito, naquele tempo.
Adquiriram grande poder, e estavam unidos como o povo do oráculo de Vulcano. Outros oráculos havia, e Steiner lembra o de Apolo, que não é o posterior, de Delfos. E ainda o do Sol, e outros.
Trabalhavam a matéria, e estavam interessados em fabricar artefatos. Steiner, vidente, dizia ter acesso aos arquivos acásicos da tradição hermética, ou a Crônica de Akasha, espécie de backup cósmico.
Agora, a ligação é evidente com o mito de Hefesto, ou Vulcano. Disforme, o deus é manco, diz-se que por sua mãe o ter atirado das alturas do olimpo até Lemnos, onde está o Etna, seu vulcão. Ferreiro, forja os artefatos dos deuses, como o carro de Apolo e os raios de Zeus. São vários os paralelos.
A capacidade de agir sobre a matéria desses associados a Vulcano levou à destruição de Atlântida, segundo Steiner. Este passo não aparece no mito.
O culto aos deuses dos gregos históricos é posterior a Atlântida. Mas o relato de Steiner esclarece vários detalhes do mito que são estranhos. Por exemplo, sua atração pela matéria levou à deformidade física. E outras.
O aspecto mais enigmático do mito de Vulcano é que se trata de um deus corno. Sendo horroroso, tinha Vênus como mulher. Ela, no entanto, pulava a cerca com Ares, o deus dos generais e das batalhas. Certo dia, Vulcano aprisiona os dois na cama, em flagrante, com uma rede da qual não conseguem se livrar. Vai o deus e os expõe aos demais imortais. Este aspecto nem Steiner explicou.
E então? Bem, tenho para mim que estas histórias merecem mais crédito do que os relatos que ouvimos, qur lemos, realidades muito mais relevantes do que as ninharias com que querem nos encantar.
Postar um comentário