2 de março de 2014

nas entranhas de Moloch - continuação


Os vazios corredores percorri, na penumbra,
ouvindo um rumor ao longe, de labor oculto,
buscava já descrendo que, no submundo,
houvesse porventura os tais tesouros de Moloch.

Deparei-me no entanto, à beira de uma gruta,
com uma pálida e estranha criatura,
que como para si dizia entredentes,
são tantos os que procuram as primícias
de ouro e prata, as pedrarias em negras urnas,
mas poucos conhecem as certas galerias!

Entre nós houve logo acerto estranho,
pois nada pedi, nem me foi oferecido,
mas entendi, como num encanto,
que a criatura seria meu subterrâneo guia.






Postar um comentário