4 de maio de 2009

Ao mês de Maio

maio, maio

mês do raio

de luz que abre meus olhos,

aquarela feita de orvalho;

onde os azuis e os vermelhos

que existem só em teus ocasos?



maio, maio

mês do raio

de luz branca cristalina:

ilumina a trilha, a mente aclara.

as mentiras alheias eu encaro;

joga meus olhos sobre as minhas.


maio, maio

mês do raio

freme a terra com a luz que vibra,

força suprema sem trabalho,

dá às coisas uma cor de sonho

das tardes claras do mês de maio.
Postar um comentário